quinta-feira, 19 de junho de 2014

O FRACASSO DA COPA DO BRASIL


Como era esperado, o vexame é total, o que enxovalha o Brasil aos olhos do mundo e mostra toda a incompetência política e administrativa desse governo, nos expondo assim a humilhante situação, da qual demoraremos muitos anos para nos livrarmos.
Para fazer as afirmações que se seguem, pautei-me pelo que tenho lido na imprensa internacional, a partir de jornalistas estrangeiros e turistas do mundo todo, e postado pelos bravos militantes da direita, intelectualizados e precisos nas suas análises e críticas.
Os estádios todos inacabados, de arquitetura no mínimo duvidosa, feios, mal iluminados… Acertaram os que disseram que só ficariam prontos na próxima década.
As chamadas obras de infraestrutura, no entorno dos estádios, foram uma balela. Os engarrafamentos, nos momentos que antecedem os jogos, são quilométricos, com os torcedores chegando atrasados, inclusive com muitos deles desistindo de entrar nos estádios.
Os aeroportos superlotados, com voos atrasados e cancelados, filas imensas nos guichês, bagagens extraviadas… Com todos os aeroportos por terminar, cheios de materiais de obras espalhados, numa imundície só.
Um outro fiasco que não poderia passar em branco é o das comunicações, com os correspondentes sem poder fazer contatos com suas bases, os links interrompidos ou com interferências, nos isolando nos momentos de pico, que antecedem e durante os jogos.
E o apagão, a suprema humilhação? Como é que em pleno século XXI um país inteiro pode ficar sem energia elétrica por horas, em silêncio, no escuro, envergonhado?
O apontado infelizmente aconteceu: um surto de dengue em pleno inverno, com os hospitais lotados, sem ambulâncias para transportar doentes, medicamentos em quantidade insuficiente, com muitos turistas debandando, voltando para os seus países, com medo.
Mas… O que mais temíamos e tínhamos certeza que aconteceria e ficaria fora de controle… A violência generalizou-se de tal maneira que nem mesmo as Forças Armadas estão tendo força suficiente para, se não debelar, pelo menos minorizar: brigas generalizadas entre torcidas, resultado de um serviço de segurança ineficiente, pequeno no número de homens, e despreparados.
Arrepara na legenda. Curtura do PIG
As delegacias policiais já não dão conta de tantos registros de ocorrências de roubos, assaltos e sequestros, com balas perdidas em grandes aglomerações de turistas, os arrastões, promovidos por facções criminosas, com gente descida dos morros e vindas dos subúrbios.
Perdeu-se a conta de ônibus queimados, vitrines quebradas, lojas comerciais saqueadas…
Claro que uma situação dessa, e que só surpreendeu aos mal informados, não leitores de nossos jornais e revistas e telespectadores, só poderia gerar protestos, indignação, e então o que se viu foi o coro, em São Paulo, usando palavras de baixo calão, dirigidas à presidente da república.
Não passou pela cabeça de ninguém que deixar o povo ter acesso aos estádios seria uma temeridade? Como esperar civilidade, educação, postura, respeito e até caráter de pessoas de pouco estudo, baixos salários, residindo em áreas longínquas? Como esperar dessa gente qualquer coisa como simpatia, hospitalidade, cortesia? São ogros.
Só deveriam ter acesso aos camarotes vips dos estádios os grandes empresários, os políticos de direita, os artistas e apresentadores da televisão, gente polida, educada, respeitadora, como não mostram no vídeo, em pleno exercício de monetário cinismo.
O país está um caos, e não foi por falta de aviso: a mídia avisou que seria assim, a oposição ao governo provou que seria assim, uma multidão de internautas inteligentes e bem informados mostraram todas as evidências de que seria assim, mas o governo não quis ouvir e pôs avante esse sonho megalômano de realizar uma Copa do Mundo aqui.

7 comentários:

Marco disse...

Colômbia vs. Costa do Marfim
Dois jogos num só. O primeiro tempo de muito estudo, amarrado, com a bola raramente rondando as áreas e poucas chances de gol. O segundo, começou com a Colômbia tomando a iniciativa e partindo para cima, até conseguir seu gol. E, porteira que passa um boi, passa boiada, o segundo não tardou.
Costa do Marfim especulou com o empate o quanto pode, mas, em desvantagem se lançou ao ataque de maneira que o jogo ficou aberto e bonito. Uma pena que o técnico seja tão medroso, e só ponha o time para frente depois de estar em desvantagem no placar (foi a mesma coisa contra o Japão). O final da partida teve contornos dramáticos.
Da Colômbia vale a menção ao camisa 10 James Rodríguez, que jogaria fácil no nosso time. Dribla bem, pensa o jogo, e rápido e faz gol: já foram dois, um em cada jogo. E tem apenas 22 anos.

Marco disse...

Uruguai vs. Inglaterra
se fosse necessário falar sobre o jogo, não teria condições, pois ainda estou sem fôlego. Um colosso, um magnífico espetáculo que ajudar a explicar - sem palavras - a magia do futebol.
Minha segunda seleção é o Paraguai. Mas como não se classificaram, minha simpatia recai sobre O Uruguai, que vai me enterrando no bolão da firma. Depois da decepção da estreia, achei que estavam decadentes, nos moldes da Espanha. Mas o "maestro" Oscar Tabarez mostrou que merece o epíteto, pois fez 5 alterações em relação ao time de foi presa fácil para Costa Rica e transformou as coisas. A garra charrua deu o ar da graça no Brasil, remexendo assombrações de 1950.
Álvaro Pereira tomou uma joelhada no crânio (acidental) e caiu desmaiado. Foi atendido e o médico indicou substituição. O homem ficou possesso, não abandonando a luta enquanto não estivesse morto. E Luis Suarez então, que voltou de uma artroscopia (feita em 22/05) para fazer os dois gols da vitória? O espírito de Obdúlio Varela, el negro jefe, baixou nos "orientais" hoje.
Quanto ao English Team, é lamentável que tenham saído derrotados de duas batalhas memoráveis na Copa. Mostraram um tipo de jogo atraente, revolucionando uma tradição de jogo feio. São jovens, e acredito sentiram o baque, mas poder vir calejados em 2018, na Rússia.

Marco disse...

Japão vs. Grécia
Depois da "Batalha de Itaquera", um anticlímax. Jogo dispensável. O Japão foi garfado foi um juiz de mentalidade caseira: após expulsar um grego ainda no primeiro tempo (de forma correta), compensou o resto do jogo, vendo faltas japonesas em todas as disputas, como se os orientais fossem mais encorpados que os europeus.
Mesmo assim, tenho a impressão que para o Japão furar o ferrolho grego, nem com mais 280 minutos de jogo. São pouco objetivos, jogam de costas para o gol, e não arrematam bem. Dadas as circunstâncias, os gregos saíram-se melhor no seu intuito de não tomar gols, pois na frente jogavam por um lance, a "bola vadia".
Ambas as equipes podem começar a arrumar as malas para voltarem para casa.

Thiago Melo Teixeira disse...

Sensacional!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Esqueceu de mencionar que a Copa do Brasil está comprada, vencemos com facilidade as duas partidas! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Marco disse...

Costa Rica vs. Itália
Costa Rica, hein, quem diria? Bom, zebras acontecem em todas as Copas. Mas duas vezes? Com o mesmo time? Em cima de duas campeões do mundo? E, máximo da surpresa, jogando melhor ambas as partidas?
Apesar de ser um time latino-americano mostrou um frieza incomum, que sobressaiu nos momentos de pressão. Toque de bola excelente e três jogadores com categoria para jogar em qualquer equipe: Brian Ruiz, Bolaños e Campbell.
A Itália deu a impressão de sucumbir ao calor quando teve que ir buscar o resultado. Alterações infelizes do técnico e alguma apatia pintam o retrato da Azzurra nesta partida. Bem diferente do duelo eletrizante ante a Inglaterra.
O juiz não deu um penalti escandaloso para a Costa Rica, pouco antes do gol da vitória.
Itália e Uruguai não será uma boa para cardíacos.

Marco disse...

França vs. Suíça
Há algo mágico na Fonte Nova: 17 tentos em três jogos do Festival de Gols de Salvador.
A França começou o jogo avassaladora, a pés imbatíveis e só não virou enfiando 4x0 porque perdeu um penalti! Acelerou um pouquinho mais no 2.º tempo e chegou aos 5x0. Daí relaxou, permitindo dois gols suíços (o primeiro deles, o 1·º gol de falta da Copa).
No último lance, uma curiosidade: o juiz apitou o fim exatamente quando a França fazia o 6.º!
É bom abrir os olhos com os descendentes de Asterix, nossos carrascos contumazes nas últimas copas em que nos enfrentamos. O time tem variação, sabe jogar pressionando um adversário recuado, e é mortal no contra-ataque.
A Suíça provou um tese do AntiPIG que o Equador só perdeu porque quis. Tende a se desintegrar no calor amazônico, onde enfrenta Honduras na rodada decisiva.

Marco disse...

Equador vs. Honduras
A partida foi tensa, o que incrementou tanto o fraco nível técnico quanto a carga dramática, ainda mais elevado por outro vira vira virou. As duas equipes jogavam pela sobrevivência na competição.
O Equador não é lá essas coisas, mas ainda assim sobraria diante de Honduras. Contudo, a má pontaria e a tibiez de seu técnico quase põem tudo a perder. Fica claro que só foram bem nas eliminatórias por jogarem na altitudes, complicando a vida dos concorrentes.
Já a equipe de Honduras, é cada cajadada, uma minhoca. Disparado o time mais violento do mundial. Apesar dessa opção pela botinada, o time tem uns três ou quatro jogadores (a exemplo da Costa Rica) que tratam bem a bola e poderiam dar uma cara diferente ao time.